domingo, 2 de junho de 2013

Quando minha yorkshire vai entrar no cio?

Quando vai ser o cio e quando poderá minha yorkshire Terrier acasalar? 

Yorkshire acasalando


Essa pergunta é muito recorrente aqui. Pois bem.

O cio é o período em que a fêmea está apta para aceitar o macho, ou seja, acasalar.
Como podemos detectar o cio? O cio pode ser observado por alterações na cadela como inchaço da vulva, leve corrimento sanguinolento, micção frequente e sua docilidade, ela fica mais carinhosa nessa época.
Normalmente a fêmea tem o primeiro cio por volta do 6º ao 8º mês de vida. É super desaconselhado o acasalamento nessa idade, pois esta cobertura traria grande prejuízo ao desenvolvimento físico do animal. A partir daí o cio se repete de seis em seis meses na maioria das fêmeas. 

Dica para saber exatamente o dia que o cio começa e a data para acasalar:

Um pouco antes de seis meses, quando calcula que vai começar o novo cio, deixe a cadela dormir em cima de um pano branco, que deverá ser controlado toda manhã. Nele se notarão gotas de sangue que ela perde e que não pode lamber porque penetram no tecido, desta maneira, sabe-se exatamente o começo do cio. Contam-se então mais 10 ou 11 dias e tem início o período em que a maioria das cadelas aceita voluntariamente o macho e essa é a hora de coloca-la com o macho reprodutor escolhido e o acasalamento pode repetir no dia seguinte 

Atenção!
O corrimento sanguíneo começou a tornar-se esbranquiçado? ( mais do que nos primeiros 8 dias), o criador agora tem absoluta necessidade de manter a fêmea isolada de qualquer contato com os machos, não lhe dando nenhuma possibilidade de escapar. Esta cautela deve ser tomada com o mesmo cuidado depois da cobertura realizada com o reprodutor escolhido, pois, durante todo o período do cio, óvulos poderão ser fecundados e fetos amadurecendo consecutivamente, por isso é importante que a fêmea não tenha mais contato com o macho. Entenderam?


O ideal é a fertilização no 11o. dia (momento em que 50% dos óvulos são liberados pelos ovários). O acasalamento pode ser repetido no dia seguinte.
Em cadelas mais velhas é comum que o intervalo entre um cio e outro aumente, mas nunca entram em menopausa.
Uma alteração que pode ocorrer é o chamado cio seco ou silencioso, caracterizado pela falta dos sinais do cio, não há inchaço da vulva nem sangramento. Neste caso o cio apenas poderá ser identificado pelo macho, ou por citologia vaginal ou por dosagem hormonal.
Os cios duram em média de 15 a 20 dias, sendo os 9 primeiros dias o período chamado pró-estro, fase onde há o sangramento. Do 9º ao 15º dia é o cio verdadeiro chamado fase do estro e é quando a fêmea aceita o macho para cobertura.
Durante o cio a cadelinha pode tomar banho normalmente. A única atenção especial é quanto aos passeios com ela no período fértil, não descuide nem por um minuto para que ela não acasale erroneamente e tenha uma gestação indesejada.
O aparelho reprodutivo está perfeitamente formado no terceiro cio, que é o ideal para o primeiro cruzamento. Não é recomendado que se cruze a cadela em todo o cio. Isso porque o processo gestação-parto-amamentação é muito desgastante. O ideal é que se acasale a fêmea num cio e a deixe descansar no próximo.
Antes de pensar em acasalar sua feminha, você deve analisar bem fatores como custos com a assistência veterinária e exames laboratoriais, tempo disponível para cuidar da ninhada e o destino dos filhotes.

Bom, decidiu deixar sua yorkshire acasalar?  Então deve tomar alguns cuidados, ou seja, realizar o seu pré-natal.
 Então para o pré-natal 

  •  Levem a fêmea para uma avaliação veterinária antes do acasalamento
  • Observe seu cartão de vacina e coloque em dia as vacinas e os vermífugos
  • Mude sua alimentação, troque a ração de adulto por de filhotes.

 E com o passar dos 2 meses de gestação (para ser mais exato de 58 a 63 dias) vamos orientando sobre os cuidados com a gestante e como proceder na hora do parto.

E agora, qual macho colocar pra cruzar? Se vocês não tiverem em vista ou não conhecerem, nós ajudaremos a procurar um macho da mesma raça e que tenha um tamanho igual ou menor que a fêmea.
Chegou a hora do acasalamento. O que fazer, como fazer e aonde fazer? 
Como regra geral é sempre melhor que a fêmea seja levada para a casa do macho, uma vez que fora do seu território ela estaria menos agressiva não precisando defender seu espaço. Isto é apenas uma regra e em algumas condições ela pode ser quebrada, mas o mais importante é que a fêmea se encontre realmente no cio.
Normalmente, estando a cadela no seu período fértil basta colocar os pombinhos, quer dizer, os cachorrinhos juntos, que o macho tentará subir na fêmea para proceder o coito. E não se assustem, pois num cruzamento normal, o momento da ejaculação se da quando macho e a fêmea ficam grudados de traseiro um para o outro, o chamado nó, assim irão permanecer por alguns minutos.
Uma observação muito importante é que o cão possui um osso no pênis, por este fato, nunca mas nunca tente separá-los, isso pode ocasionar uma fratura no osso peniano. Não importa o tempo que demore, deixe que os cães se afastem naturalmente.
Existem casos de dificuldades e impossibilidades no acasalamento, assim como infertilidade nas cadelas ou nos machos. Com a nossa ajuda é preciso analisar e descobrir a causa. E se você já tentou de tudo e descobriu que não há problema de infertilidade na fêmea nem no macho, não perca as esperanças, existe a possibilidade de inseminação artificial bastando levar o casal em alguma clínica especializada para a realização do procedimento.

Certos criadores acham conveniente repetir o acasalamento para estarem seguros da fecundação, principalmente se a união não demorou o tempo necessário, que se pode prolongar, às vezes até 40 minutos. Todavia, não se deve deixar passar mais do que um dia entre as coberturas, a fim de evitar dificuldades no nascimento da ninhada, pois, devido ao tempo relativamente curto da gestação (mais ou menos 60 dias) é evidente que nem todos os embriões poderão desenvolver-se com o mesmo vigor e tamanho se o intervalo entre duas uniões for maior do que 48 horas.

Não se esqueça de vermifugar a cadela 45 dias após a cobertura.


Existem cães que não devem acasalar, são:

  • Fêmeas que pesam menos de 1.5kg NUNCA devem procriar! Risco de morte.
  • Quando o macho for maior que a fêmea
  • 
Yorkshires portadores de alterações genéticas transmissíveis como: displasia coxofemoral, ausência de um testículo que é chamado criptorquidismo, monorquidismo alergias graves, catarata precoce e epilepsia; 
  • Com problemas cardíacos graves; 
  • Com excesso de peso; 
  • 
e os cães com doenças sexualmente transmissíveis como TVT e Brucelose.
Fonte de pesquisa: CenterVet

Gostaram?

Próximo post vou falar sobre o parto, amamentação e cuidados com os filhotes.

Beijos

MY



Um comentário:

  1. Ola boa tarde. Tenho uma yorkshire de dois anos e resolvi cruzar pela primeira vez. Logo após ter chegado a casa do machinho não demorou muito e a cobertura aconteceu demorando mais de meia hora. Resolvi deixa la o restante da tarde na companhia do macho e só fui busca la a noitinha , recebendo a notícia que haviam cruzado outra vez. Ontem dia 9 fez 30 dias e devido ao seu sono constante resolvi fazer uma ultrassom. Enfim nao foi visualizado filhotes porem o útero dela esta aumentado e uns pontos escuros foram observados. ..a veterinária pediu que eu repetisse o exame após 10 dias pois os pontinhos poderiam ser os filhotes ainda mt pequenos uma vez que seu útero esta grandinho.fiquei triste e meio sem esperanças ..realmente é possível não diagnosticar uma gravidez com 30 dias na ultra??

    ResponderExcluir

Importante: todo e qualquer texto publicado através do sistema de comentários não reflete necessariamente a opinião deste blog ou de seu autor. As opiniões emitidas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos visitantes que dele fizerem uso. O autor deste blog não se responsabiliza por quaisquer consequências e/ou danos que eles venham a provocar, e reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar desrespeitosos a terceiros.